Copyright 2023 . Todos os direitos reservados

Presscom Comunicação - Limeira/SP

Criado por Presscom

Pequeno em extensão, Uruguai quer voltar a ser gigante no futebol

SÉRIE COPA É CULTURA – CAPÍTULO 9

 

 

Segundo menor país da América do Sul, maior apenas que o Suriname, o Uruguai tem 3,5 milhões de habitantes, sendo que 1,8 milhão deles vivem na capital, Montevidéu, que foi fundada pelos espanhóis, no século 18, para funcionar como uma fortaleza militar. Vale lembrar que o Uruguai pertenceu ao Império do Brasil, do qual conquistou sua independência após guerras que duraram de 1810 a 1828.

 

O povo uruguaio é conhecido por seu respeito aos direitos civis e à democracia. Exemplos disso não faltam. O Uruguai se tornou, em 1907, o primeiro país a legalizar o divórcio. Em 1932, permitiu que as mulheres também tivessem o direito ao voto. Em 2007, foi o pioneiro na América do Sul a legalizar a união civil entre pessoas do mesmo sexo, além de permitir a adoção homoparental. Em 2013, aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo e se tornou o primeiro do mundo a legalizar o cultivo, a venda e o consumo de cannabis, gênero ao qual pertence a maconha.

 

Se é pequeno em extensão territorial (a única fronteira do país é com o Rio Grande do Sul), o Uruguai é um gigante no futebol. Conquistou a Copa do Mundo em 1930, na primeira edição da competição, e em 1950, em pleno Maracanã, quando derrotou o Brasil por 2 a 1. Essa partida, aliás, é considerada a que teve maior público da história: 174 mil pagantes, além de cerca de 50 mil pessoas que entraram como penetras.

 

Na outra vez em que brasileiros e uruguaios se enfrentaram numa Copa foi em 1970, no México, pelas semifinais. Com um timaço comandado por Pelé, o Brasil venceu por 3 a 1 em seu caminho rumo ao tricampeonato. No total, o Uruguai participou do Mundial em 13 ocasiões e, além dos dois títulos, acumula três quartas colocações, em 1954, 1970 e 2010.

 

Os uruguaios são ainda os maiores vencedores da Copa América, com 15 títulos. Contra o Brasil, a Celeste Olímpica, como é conhecida a seleção do Uruguai, disputou 75 jogos, vencendo 20 vezes. Os brasileiros ganharam 35 e houve ainda 20 empates. O primeiro confronto entre ambos, realizado pela Copa América de 1916, em Buenos Aires, terminou com a vitória uruguaia por 2 a 1.  O mais recente aconteceu em Montevidéu, em março de 2017, com goleada do Brasil por 4 a 1.

 

O Uruguai chega à Copa da Rússia embalado por ter terminado as eliminatórias sul-americanas na 2ª colocação, atrás apenas do Brasil. Tem como destaques dois dos maiores atacantes da atualidade, Luis Suárez, do Barcelona, da Espanha, e Edinson Cavani, do francês Paris Saint-Germain. O time é comandado pelo treinador Óscar Tabárez, que estará em sua 4ª Copa do Mundo à frente da Celeste (também foi o técnico em 1990, 2010 e 2014).

 

Entre os convocados de Tabárez, estão o goleiro Martin Silva, do Vasco, e o meia Arrascaeta, do Cruzeiro. O Uruguai está no Grupo A, pelo qual estreará no dia 15 de junho, contra o Egito. No dia 20, pega a Arábia Saudita e, no dia 25, enfrenta a anfitriã Rússia. Será que desta vez os aguerridos uruguaios voltam a brilhar numa Copa?

LEIA TAMBÉM

 

CAPÍTULO 8: Com bom time, Bélgica chega à Copa para brigar pelo título

 

CAPÍTULO 7: Quem sabe em casa a Rússia finalmente passa da 1ª fase?

 

CAPÍTULO 6: Suécia, uma velha adversária. E uma velha freguesa...

Please reload