Copyright 2023 . Todos os direitos reservados

Presscom Comunicação - Limeira/SP

Criado por Presscom

Costa Rica quer se firmar como força no futebol. Mas tem o Brasil pela frente...

SÉRIE COPA É CULTURA – CAPÍTULO 2

 

 

No dia 22 de junho, às 9h (horário de Brasília), o Brasil tem encontro marcado com um freguês pelo Grupo E da Copa do Mundo de 2018: a Costa Rica. Os números não negam: em 10 jogos entre as duas seleções, são 9 vitórias brasileiras e apenas uma costa-riquenha, esta no longínquo 1960, por 3 a 0, em San José, capital do país centro-americano. Nesses confrontos –6 amistosos e 4 jogos oficiais –, o Brasil marcou 32 gols e sofreu 9.

 

Os dois países se enfrentaram em duas Copas do Mundo. Em 1990, na Itália, 1 a 0 para os brasileiros. Na Coreia, em 2002, 5 a 2 para a seleção canarinho. Pela Copa América, mais duas vitórias brasileiras: 5 a 0 em 1997, na Bolívia, e 4 a 1 em 2004, no Peru. Na Rússia, os dois países medirão forças no Estádio Krestovsky, situado na Ilha Krestovsky, em São Petersburgo, a segunda maior cidade da Rússia, atrás apenas da capital Moscou.

 

Se não tem um bom retrospecto contra o Brasil, o futebol da Costa Rica vem evoluindo bastante nos últimos anos. Comandados pelo goleiro Keylor Navas, do Real Madrid, os costa-riquenhos foram a maior surpresa da Copa do Mundo do Brasil, em 2014, classificando-se em primeiro lugar no grupo D, que tinha nada menos que os campeões mundiais Inglaterra, Uruguai e Itália. A Costa Rica concluiu sua participação no torneio de forma invicta, após ser eliminada nas quartas de finais pela Holanda na disputa de pênaltis.

 

Agora comandada por Óscar Ramírez, hoje é provavelmente o melhor time da Concacaf, que reúne as seleções das Américas Central e do Norte. Além de Navas, a equipe tem como destaque Marco Ureña, que joga pelo San Jose Earthquakes, da norte-americana Major League Soccer.

 

No futebol, a Costa Rica busca contar uma bela história, a exemplo da sua própria. Descoberto por Cristóvão Colombo em sua quarta viagem à América, em 1502, o país se tornou independente em 1821. Com 4,8 milhões de habitantes, é limitado a norte pela Nicarágua, a leste pelo mar do Caribe, a sudeste pelo Panamá e a oeste pelo oceano Pacífico.

 

É o único país da América Latina incluso na lista das 22 democracias mais antigas do mundo, sem nunca ter passado por golpes de Estado, ao contrário da maioria dos seus vizinhos da América central. O país aboliu o exército em 1948. Com clima tropical e subtropical, a Costa Rica tem 30% de seu território cobertos pela floresta tropical úmida.

 

Sua economia tem como principais pilares o turismo, a agricultura e as exportações de produtos eletrônicos, estas capitaneadas pela fábrica de microprocessadores Intel.

 

Na Copa 2018, a Costa Rica vai tentar comprovar seu novo status de força no futebol. Para isso, nada melhor que uma vitória sobre a seleção pentacampeã do mundo. Mas, se depender da nossa torcida, um segundo lugar no grupo já está de bom tamanho para os simpáticos costa-riquenhos.

 

LEIA TAMBÉM

 

CAPÍTULO 1: Suíça: qualidade de vida excelente; futebol, nem tanto...

Please reload